Universal anuncia live-action do Pica-Pau. Será que isso vai dar certo?

Pica-Pau, aquele maléfico pássaro colorido da infância, estrela no cinema em outubro de 2017 Baseado no personagem criado por Walter Lantz, Pica-Pau, o passarinho malvado que “anima(va)” as manhãs...

Pica-Pau, aquele maléfico pássaro colorido da infância,
estrela no cinema em outubro de 2017

Baseado no personagem criado por Walter Lantz, Pica-Pau, o passarinho malvado que “anima(va)” as manhãs das crianças e adultos desde a década de 1950, chegará aos cinemas em outubro do ano que vem em um filme que mesclará as técnicas de live-action e animação CGI. 

Sua Era de Ouro no Brasil foi na década de 1980, quando o SBT passou a transmitir suas temporadas. Ficou no ar até 2002. Em 2003, a Rede Globo chegou a incluir a animação na TV Globinho, mas ela deixou de ser exibida dois anos depois. Bem, para aqueles que cresceram na década de 80/90, Pica-Pau era, sem dúvida, umas das atrações da manhã. Conhecido por seu péssimo temperamento, irritabilidade e eternas rixas com Leôncio, seu antagonista oficial, Woody Woodpecker – seu nome original – certamente marcou a infância de algumas gerações. Depois desse banho-maria de mais de 10 anos, a Universal 1440 Entertainment lançará nos cinemas um filme inédito do personagem dirigido por Alex Zamm, de “Os Batutinhas: Uma Nova Aventura”. As filmagens já começaram em Vancouver, Canadá.

Sinopse oficial: “[A] comédia mostrará uma guerra de território entre o brincalhão e travesso Pica-Pau e o vigarista Lance Walters (Timothy Omundson) e sua namorada Brittany (Thaila Ayala). Lance está determinado a construir sua casa dos sonhos mas, para isso, terá que derrubar a casa do Pica-Pau em uma luta que não será fácil.”

Além de Thaila e Timothy Omundson, o filme ainda traz Graham Verchere, Jordana Largy, Adrian Glynn McMorran, Scott McNeil, Chelsea Miller, Jakob Davies, Arkie Kandola e Sean Tyson no elenco.

Em tempos de levar animações para o live-action – vide a Disney, que não para de fazer isso (Malévola, A Bela e Fera, Mogli, Mulan, Gênios / Aladdin, Ursinho Puff) – eis que surge um “ar-fresco” nesta tendência. Apesar de o Pica-Pau ser um personagem que passou por algumas melhorias ao longo das décadas de 1940 e 1950, em função de seu comportamento biruta e grotesco, o pássaro conquistou seus fãs. Aqui no Brasil três curtas do personagem foram transmitidos na sequência e, qualquer adulto dos anos 1980 se lembra, ao menos, de suas artimanhas maléficas e caras de sono.

Investir em um projeto cinematográfico sobre o personagem pode ser um grande acerto ou um irreparável “tiro no pé”. Será que sua personalidade vingativa, manipuladora e astuta estarão presentes neste projeto? Os “politicamente corretos” de hoje em dia talvez não gostem da ideia de encarar esse ressurgimento do pássaro, já que todo e qualquer lançamento animado tem explorado outros meios de marketing como brinquedos, jogos, brinquedos do McDonalds (hehe).

Hollywood tem um longo histórico de tentar trazer às telonas adaptações live-action de desenhos animados antigos. Os Flinstones com John Goodman e Halle Berry foi um sucesso de bilheteria, porém foi massacrado pela crítica – rendendo apenas uma continuação que foi fracasso absoluto de bilheteria. Rocky e Bullwinkle, mesmo com Robert De Niro no elenco, foi esquecido tão rapidamente quanto lançado. Zé Colméia fracassou em ressuscitar interesse no urso mais famoso da Hanna-Barbera e até mesmo os fofinhos Smurfs, com seus dois filmes já sumiram do radar das pessoas. Será que Pica-Pau quebrará esta longa e trágica sequencia de adaptações não desejadas e mal recebidas? Deveria a Universal fazer este lançamento voltado aos adultos, né?

Küsses,

Comente via Facebook!
Tatá Snow

“Crítica” de cinema – prefiro ‘analista de entretenimento’, fanática por comédias românticas e viciada em Sex and The City. Ah…#TeamCap

Categorias
Notícias

Ver também