Universo DC: Renascimento – O que esperar desta nova etapa nos quadrinhos

Curioso sobre o Universo DC: Renascimento? Preparamos um guia para você Leitores mais antigos de quadrinhos já estão mais que acostumados com crises de quantidades variadas de terras e...

Curioso sobre o Universo DC: Renascimento?
Preparamos um guia para você

Leitores mais antigos de quadrinhos já estão mais que acostumados com crises de quantidades variadas de terras e infinidade e guerras que podem ou não ser secretas. É inevitável que, após um certo número de histórias e sagas, fique difícil atrair novos leitores para a DC e Marvel, e é bom corrigir o rumo tomado pelos universos. Após o Novos 52, surgiu o Universo DC: Renascimento. Como entrar em um universo que passou por reboot pode ser cansativo, preparamos aqui um rápido guia sobre o que esperar desta nova etapa da DC Comics.

*Lemos as edições digitais americanas (pirataria jamais!) via o site oficial da DC para preparar este material, não se preocupem, não daremos spoilers.*

Antes, um pouco de história

Antes de começarmos a falar de Universo DC: Renascimento, vamos voltar um pouco para explicar os últimos anos da DC, que são importantes para estabelecermos alguns pontos cruciais para o novo status quo. Preparem-se para voltar ao dia que o Flash mudou o mundo…

Flashpoint ou Ponto de Ignição

Sim, voltamos bastante tempo, mas vale a pena. Esta minissérie é o ponto inicial de nossa jornada. Um belo dia, Barry “The Flash” Allen acorda em um mundo inteiramente novo. Sua mãe está viva, ele nunca se tornou um super herói velocista e o Capitão Frio é o maior herói de Central City. Nesta nova realidade, a Liga da Justiça nunca existiu, Bruce Wayne morreu e seu pai Thomas virou o BatmanSuperman nunca surgiu e uma guerra entre Aquaman, e as forças de Atlântida, contra Diana, e as forças de Themyscira, já devastou a Europa.

Com a ajuda de Batman, Barry recupera sua força da velocidade e descobre que esta linha do tempo é obra de Eobard Thawne, o Flash Reverso. Seu plano era intervir no momento em que Barry volta no tempo para salvar sua mãe e se livrar de seu vínculo com o herói. O arqui-inimigo do velocista escarlate vem do futuro e criou sua identidade e poderes para antagonizar o Flash. Se ele mata-lo, deixará de existir porque terá matado no passado a figura que o influenciou no futuro, criando um paradoxo.

Para restabelecer a linha do tempo, Barry novamente corre para eliminar versões passadas suas e reconstruir a realidade. Ele percebe três universos distintos: a Nova Terra onde reside o universo DC principal, a Terra-50 onde o universo Wildstorm existe, e a Terra-13 – esta habitada por personagens do selo Vertigo. Assim como as Crises das Duas Terras, das Infinitas Terras e Infinita, estes três universos se fundem para criar um novo chamado…

Novos 52

Barry é abordado por uma mulher misteriosa chamada Pandora. Ela informa que o universo foi partido em três para enfraquecê-los contra uma ameaça iminente. Isto só será revisitado mais adiante, por ora o Novos 52 trouxe uma versão nova do Universo DC. As edições dos quadrinhos voltaram ao número 1 e mostram uma realidade onde os heróis surgiram somente há cinco anos. Alguns elementos como a guerra dos Demonitas, do universo Wildstorm, agora fazem parte da continuidade principal.

Os Novos 52 foi palco de boas e péssimas ideias. Alguns títulos como a Mulher Maravilha, escrita por Brian Azarello, e Batman, escrito com roteiro de Scott Snyder, estão entre as melhores tramas com os personagens. Algumas outras histórias ofereceram reinvenções sem graça ou simplesmente criaram novas versões de histórias famosas (teve até uma nova morte do Superman). Entrar nos detalhes, de anos de série aqui, seria muito trabalhoso, então vamos simplesmente ao que interessa para o Universo DC: Renascimento.

Ao longo das histórias do Novos 52, uma figura misteriosa chamada de Sr. Oz apareceu algumas vezes. Universo DC: Renascimento

Seus propósitos não são claros. Ele tem capturado algumas figuras importantes como o Apocalypse e mantido-as em uma localização desconhecida. Também entendemos que diversos momentos do Novos 52 foram manipulados por ele. Especialmente o fato que, nesta realidade, existem dois Supermen: o que veio de Krypton e cresceu no universo dos Novos 52 e um Superman mais velho, remanescente da antiga realidade. Sr. Oz foi responsável por isto também, mas não fica claro como.

O Superman mais jovem morre e o mais velho assume o lugar como Homem de Aço. Ah! E por algum motivo, acharam uma excelente ideia transformar o Lobo em um vocalista de K-Pop. Mas isto não vem ao caso. Vamos ao que interessa.

Universo DC: Renascimento

Primeiramente, vale lembrar que não se trata exatamente de um reboot. Para todas as considerações este ainda é o universo Novos 52 com algumas leves correções que têm criado histórias bastante interessantes. Vamos falar da “Edição #1” que saiu em Março de 2017, aqui no Brasil pela editora Panini.

O Wally West original (Kid Flash/Flash) retorna para a realidade. As pessoas não se lembram dele, mas com muito esforço e com a ajuda de Barry ele consegue se ancorar e não desaparecer. Wally começa a investigar e descobre que este mundo, ao contrário do seu, está inteiramente populado por heróis mais jovens e menos experientes. Parece que alguém deliberadamente eliminou décadas de experiência dos maiores combatentes do crime para enfraquecer a Terra contra um ataque iminente. Lembrem-se que Pandora alertou Barry sobre isso no começo dos Novos 52. Por isso, ela é eliminada de uma forma que remete um certo “super homem americano”.

Universo DC: Renascimento

Enquanto o maior detetive do mundo, se depara com um certo símbolo icônico:

É uma jogada ousada que provavelmente vai incomodar alguns leitores de quadrinhos mais “puristas” (o termo politicamente correto para Fanboy chato pra c*ralho®). O primeiro elemento que ditará o tom do Universo DC: Renascimento é o surgimento do Dr. Manhattan como o grande antagonista. E lembram se do Sr. Oz? Tudo indica que estamos falando de Adrian Veidt, o Ozzymandias. Talvez ele esteja trabalhando nos bastidores para impedir  o retorno de um dos seres mais poderosos de todos os tempos? Apenas o tempo dirá.

E o que vem por aí?

Vamos falar um pouco sobre os títulos? O Universo DC: Renascimento restabeleceu a numeração original dos quadrinhos clássicos da editora ,e rapaaaaz, algumas séries estão sensacionais. Fiquem especialmente para estas aqui:

Batman

As histórias do Morcegão raramente tiveram queda de qualidade e a tradição aqui permanece. A revista Batman com roteiro de Tom King e arte de David Finch traz novos vigilantes para Gotham e explora o simbolismo do Batman como uma fonte de inspiração para novos heróis. Depois haverá uma saga onde o Homem-Morcego monta seu próprio Esquadrão Suicida para derrotar Bane em Santa Prisca.

Na Detective Comics, Batman e Batwoman decidem construir um novo time tático no centro de Gotham e treinar a Bat-família em uma nova metodologia de combate ao crime. Tim Drake, o Robin, usa sua genialidade para implementar novas medidas e tecnologias para ajudar Gotham. O time composto por Batedora, Robin, Batwoman, Cara de Barro, Batman e Órfã (Cassandra Cain, a antiga Batgirl) enfrentará uma organização paramilitar inspirada no regimento de treino do Bruce Wayne e o Sindicato das Vítimas, um novo grupo de super-vilões. O roteiro é de James Tynion IV e a arte é do Eddy Barrows.

E, finalmente, a sensacional Grandes Astros Batman, que consegue limpar o ranço da época em que era escrita pelo Frank Miller e traz novas histórias escritas por Scott Snyder. A primeira, onde o autor admite que seu maior interesse é levar o personagem para novos locais, traz Batman correndo contra o tempo para alcançar um local misterioso antes do Duas Caras. A viagem, que o levará pelo interior dos EUA, está repleto de perigos, já que o vilão colocou uma recompensa na cabeça do herói. A primeira saga tem a arte do John Romita Jr..

Superman

Na Action Comics, acompanhamos Clark Kent e Lois Lane sobreviventes da realidade anterior se inserindo nesta nova realidade e substituindo Clark e Lois que morreu e desapareceu respectivamente. Na ausência de Superman, Lex Luthor criou uma armadura e usa o “S” no peito. Com roteiro de Dan Jurgens e arte de Patrick Zircher, a Action Comics remete bastante às histórias antigas do Homem de Aço com uma boa dose de mistérios e conspirações para manter a curiosidade.

Em Superman, acompanhamos uma história cativante sob o olhar de Jonathan Kent, o fiho de Clark e Lois. Apesar de jovem, o garoto está aos poucos aprendendo sob o fardo de sua herança kriptoniana e começa a participar de patrulhas com o paizão. Lois também tem uma participação maior nas aventuras e são bastante divertidas. O roteiro é de Peter J. Tomasi e a arte fica sob conta de Patrick Gleason.

Mulher Maravilha

Aqui está a nata do Universo DC: Renascimento. Com um roteiro assinado pelo autor responsável pelas melhores histórias da Mulher Maravilha, Greg Rucka, temos uma das histórias mais fascinantes já contadas com a personagem. As edições de número ímpar narram a trama “Mulher Maravilha: As Mentiras” com arte de Nicola Sharp e narram os dias atuais da personagem enquanto ela se depara com memórias fragmentadas de diferentes origens das amazonas (uma forma de amarrar as tramas de Azarello e Fincher nos Novos 52). As edições pares contam história “Mulher Maravilha: Ano Um” que recontam a chegada da personagem ao mundo dos homens em uma das versões mais fascinantes de sua origem. Com certeza uma aquisição obrigatória e que certamente irá conquistar novos fãs.

Liga da Justiça

Quem assina o roteiro é o desenhista Bryan Hitch. A história (que lembra um pouco alguns pontos de Authority, onde o autor também trabalhou) consiste na Liga repelir mais uma invasão alienígena e aceitar a presença do Superman pré-novos 52 como o novo Homem de Aço. Digamos que não é a encarnação mais marcante da Liga, mas ainda assim vale a pena.

Lanternas Verdes

A história Lanternas Verdes que apresenta os novos Lanternas da Terra, Simon Baz e Jessica Cruz é mais interessante, porém sofre por ter novos heróis que, apesar da diversidade, são um pouco rasos. O outro título: Hal Jordan e a Tropa dos Lanternas Verdes é mais do mesmo. Se você gostou das fases de Geoff Johns e Peter J. Tomasi, você vai se divertir com estas.

Por ora, estes serão os títulos lançados no Brasil. É uma pena que grandes títulos como Super Filhos, Esquadrão Suicida, Exterminador, Arqueiro Verde e Jovens Titãs ainda não tenham previsão de lançamento no Brasil. Se você tiver acesso às versões originais e consegue ler Trumpês bem, manda bala.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Games & HQ'sQuadrinhos

Ver também