Vikings – 2ª Temporada – 8º Episódio – Boneless

Vikings pode não ter o roteiro mais impressionante da televisão mas por meio de uma narrativa sólida e personagens bem construídos, conseguimos desvendar e entender melhor uma cultura que...

Vikings pode não ter o roteiro mais impressionante da televisão mas por meio de uma narrativa sólida e personagens bem construídos, conseguimos desvendar e entender melhor uma cultura que muitas vezes parece totalmente alienígena. Outro ponto excelente da série é sua fotografia e direção, que apresenta uma qualidade rara para o meio. Neste episódio, a profecia de Aslaug se cumpre. O novo filho de Ragnar nasce com alguma coisa errada, mas o episódio toma um bom tempo para revelar o que é.

Já que Aslaug virou uma fábrica de bebês, cabe ao tiozão Rollo fazer o social com Bjorn, além de orientar o garoto naquela fase complicada que todo menino passa, ele também treina luta com o rapaz e ambos discutem a quedinha que ele tem por Lagertha. Ambos têm uma discussão interessante sobre a natureza do amor e o que isso significa para os Deuses (“What is love, baby don’t hurt me, don’t hurt me, no more”).

O nascimento do novo filho de Ragnar é usado para oferecer uma nova percepção do personagem. Vikings moram no gélido norte do mundo e, infelizmente, somente os fortes sobrevivem, ao ver o filho com sua debilitação misteriosa, ele julga a criança fraca demais para sobreviver. Para o choque de Aslaug, ele sugere deixar a criança morrer. Em Kattegat, pessoas começam a questionar porque o Jarl e sua esposa não apresentam seu filho novo para a sociedade. Em uma fria noite, Ragnar leva seu filho para o meio do mato para ele matá-lo, mas não tem coragem. Deixa a criança para morrer mas é resgatado por Aslaug. É interessante ver como os produtores têm gradualmente transformado Ragnar de um herói malandro para algo mais sombrio.

Em Wessex, a aliança entre o Rei Ecbert e o Rei Aelle anda bem sucedida e agora é hora de formar novas alianças. O alvo da vez é o reino da Mercia, que se encontra em guerra civil desde que o rei foi assassinado por sua irmã, a princesa Kwenthrith (aliás, esse nome é a coisa mais pentelha do mundo de escrever para o review). A princesa é um personagem interessante, vegetariana, sanguinária e ninfomaníaca, é como se ela fosse o elenco inteiro de Game of Thrones em uma pessoa só… só que na série errada… Ah, naturalmente, ela quer um pedaço de Athelstan de sobremesa.

Enquanto isso, o Rei Horik continua suas tramas para reduzir o poder de Ragnar. Primeiro ele forma uma aliança com Lagertha para garantir que ambos estejam de acordo e impeçam que ele faça mais decisões por conta própria. Horik também começa a induzir Floki a trair seu amigo, o que é bastante sem nexo. Floki é um personagem louco mas estes recentes episódios que ele começa a criar problemas com Ragnar sem provocação nenhuma têm sido bem mal escritos.

O episódio também conta com uma das mais belas cenas para televisão, uma filmagem de Lagertha e seu exército em direção a Kattegat enquanto os guerreiros se preparam para navegar em direção à Inglaterra. Com diversos takes e uma primorosa trilha sonora pela banda Wardruna, a cena empolga qualquer um para ir para a pilhagem. E finalmente, é revelado o que tem de errado com o filho de Ragnar: ele possui uma perna deformada, seus pais decidem chamá-lo de Ivar, Ivar Sem-Ossos. Um lendário Viking que realmente existiu e foi responsável por diversas conhecidas batalhas.

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Críticas

Ver também