X-Men Dias de um Futuro Esquecido

Assistimos X-Men Dias de um Futuro Esquecido e Bryan Singer se superou! Bem vindos ao futuro condenado da raça mutante. Oprimidos e caçados por um inimigo invencível, os X-Men...

Assistimos X-Men Dias de um Futuro Esquecido e Bryan Singer se superou!

Bem vindos ao futuro condenado da raça mutante. Oprimidos e caçados por um inimigo invencível, os X-Men se reúnem para uma última e desesperada tentativa de salvação. Assim começa X-Men Dias de um Futuro Esquecido.

Com um roteiro maduro e intenso, o longa reúne os personagens de ambas as eras apresentadas nos filmes, com Wolverine conectando os dois períodos. Kitty Pryde (Ellen Page) desenvolveu poderes que permitem levar a consciência de uma pessoa de volta ao passado e alterar eventos do futuro. O processo é intenso e causa sérios danos, para enviar alguém tão longe ao passado somente alguém como Wolverine (Hugh Jackman), que consegue regenerar os ferimentos. O catalisador deste futuro assustador é Bolivar Trask (Peter Dinklage), o cientista criador do programa Sentinela, cujo assassinato cria um sentimento global anti-mutantes e causa a ativação dos robôs assassinos.

As adaptações de Singer dos mutantes da Marvel sempre foram centradas na realidade, preferindo focar nas questões de preconceito e segregação social marcadas pelos quadrinhos. Infelizmente, os filmes sempre foram uma faca de dois gumes, por um lado, eram filmes de super herói que ofereciam um roteiro mais inteligente, por outro lado, parte dos elementos fantásticos do gênero se perdiam. Em X-Men Dias de um Futuro Esquecido, o diretor aproveitou a energia trazida por Matthew Vaughn para a franquia e introduziu viagem no tempo, robôs assassinos, cenas de combate grandiosas e tudo isso sem perder a visão para as alegorias que tornaram os personagens tão interessantes.

X-Men Dias de Um Futuro Esquecido 2

Surpreendentemente, o filme não gira em torno do Wolverine correndo por aí com as garras para fora, urrando e assassinando hordas de inimigos anônimos. A verdadeira força por trás da narrativa é Charles Xavier (Patrick Stewart e James McAvoy). Sua encarnação jovem está longe do playboy arrogante de Primeira Classe e do sábio líder dos mutantes, aqui, o Professor X é um homem em ruínas, perturbado com eventos recentes e sem perspectivas do futuro. Deste personagem vulnerável, o filme tira boa parte do seu fôlego emocional. X Men Dias de um Futuro Esquecido tem uma carga dramática ímpar para um filme de quadrinhos, os momentos tensos são genuinamente impressionantes e realmente agregam para a história.

X-Men Dias de Um Futuro Esquecido
Talvez um pecado que o filme comete é querer demais. No elenco existe uma quantidade grande demais de mutantes em um enredo que praticamente se resume na jornada de crescimento de Xavier. Apesar de visualmente impressionantes, a maior parte dos personagens mal falam ou têm justificativa para aparecerem em cena. Como disse Patrick Stewart na coletiva de lançamento do filme, este longa fala de evolução. Não só a evolução genética que trouxe a existência de mutantes como a evolução da camaradagem entre eles. Existe uma simetria visual entre a abertura e a conclusão de filmes onde mostram os mutantes trabalhando juntos, deixando de lado suas diferenças e tentando sobreviver.

O filme vale a pena? Se você é fã de X-Men, com certeza o filme não vai decepcionar, talvez seja o filme mais bem produzido e escrito de toda a série cinematográfica dos mutantes até agora. Existem alguns problemas de ritmo e a duração do filme talvez seja um pouco longa pela quantidade de material que ele tenta apresentar, mas mesmo assim, é uma experiência única. Sem contar que com o elemento de viagem do tempo, muitos elementos dos filmes foram alterados e até personagens que morreram no descartável X-Men 3: O Confronto Final de Brett Ratner retornam à série.

E fiquem atentos para a cena pós-crédito que possui uma revelação deveras… apocalíptica!

Até a próxima!

Comente via Facebook!

Editor-chefe da Freakpop. Adora cinema, mas odeia a palavra cinéfilo. Leu quadrinhos demais na vida e tem uma capacidade muito limitada de entender a realidade. Tudo que não explica com Máquina Mortífera, explica com Highlander. Sabe tudo sobre Soul Reaver e Crônicas de Gelo e Fogo. Seu signo é estegossauro.

Categorias
Criticas

Ver também